Gestão do Compliance

Implementar um Programa de Compliance configura-se um desafio considerável para qualquer instituição, pois as mudanças propostas afetam o comportamento das pessoas e as relações comerciais. Manter o programa não se desenha desafio menor. Assim, para conceber um programa perene e que traga benefícios reais para a instituição (agregação de valor), impõe-se definir a gestão de Compliance.

Assim, propõe-se uma estrutura composta basicamente por quatro elementos:

  • Sistema de Compliance
  • Sistema de Medição
  • Governança
  • Ferramentas

Esses elementos inter-relacionam-se da seguinte forma: o Sistema de Compliance será formado por atividades, processos e controles, funcionando de maneira sistemática, independentemente das pessoas.

Esse sistema, por sua vez, precisa ser monitorado, com a finalidade de garantir resultados iguais ou melhores que os esperados ou, em outras palavras, objetivar o alto desempenho (surge o Sistema de Medição e introduz-se o conceito da melhoria contínua).

A Governança constitui a inserção de uma inteligência no modelo, considerando-se as pessoas mais apropriadas para a função e um conjunto de análises críticas, para preservarem o funcionamento adequado do mecanismo.

Por fim, as Ferramentas representam o refinamento e a profissionalização, com a finalidade de manutenção do mais alto nível de qualidade, confiança, exatidão, rapidez e repetibilidade dos processos de Compliance.

Esse texto foi baseado no conteúdo do livro "Compliance – A excelência na prática" de Wagner Giovanini. Para saber mais, acesse a página do livro aqui.