Lei anticorrupção faz 5 anos e muda atitudes de empresas


Curitiba - Passados cinco anos da promulgação da Lei Anticorrupção (12.846/2013), especialistas ouvidos pela FOLHA destacam que algumas mudanças de comportamento no mundo corporativo já são perceptíveis. Companhias tradicionais, como a Odebrecht, um dos alvos da Operação Lava Jato, foram forçadas a investir em governança e melhorar suas práticas de gestão.

"Várias empresas que ainda não tinham programas de integridade e setores de compliance passaram a adotar", destacou o presidente da Comissão de Gestão Pública e Controle da Administração da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) no Paraná, Luciano Reis.

Mas será que as normas levaram os corruptores, além dos corruptos, a mudar efetivamente de comportamento? Segundo Reis, é muito cedo para fazer um balanço e uma análise detalhados. "Ainda não existem milhares de processos com base na referida lei, até porque vários entes não a regulamentaram e muitos sequer sabem que poderão instruir processos de responsabilização na sua esfera, como é o caso dos municípios", pontuou.

A legislação foi sancionada em agosto de 2013 pela ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e regulamentada em janeiro do ano seguinte. Entre as punições previstas estão multa administrativa de até 20% do faturamento bruto e o instrumento do acordo de leniência, por meio do qual os envolvidos em ilegalidades podem reparar o dano financeiro e se comprometer a implementar mecanismos internos de integridade.

Até hoje, porém, apenas seis Estados (Espírito Santo, Distrito Federal, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e São Paulo) e o Distrito Federal instauraram processos administrativos para apurar possíveis irregularidades. No total, são 87 procedimentos, envolvendo 177 companhias, a maior parte delas (34,47%) do setor de construção e engenharia. Em pelo menos dois casos, as empresas obtiveram liminares na Justiça para suspender as punições. Os dados são parte de um levantamento do escritório Tauil & Chequer e foram publicados pelo jornal Valor Econômico.

Na avaliação do consultor e sócio da Compliance Total, Wagner Giovanini, o Brasil se encontra num processo de transição. "Quem poderia, há cinco anos, imaginar o cenário atual, com operações policiais, prisões, cobertura incessante da mídia e o crescente interesse popular em relação à ética? É claro que as pessoas de bem, os indignados com as notícias atuais e os que desejam um Brasil mais justo queríamos muito mais e muito mais rápido. Mas, precisamos comemorar o progresso conquistado. Aliás, é um avanço sem possibilidade de retrocesso".

Para Giovanini, a existência da lei, por si só, promoveu um movimento importante. "Vale citar dois componentes, que se complementam: de um lado, as empresas, preocupadas com o elevado risco, passaram a investir nos mecanismos de integridade, como uma forma de prevenir irregularidades, evitar multas e proteger seus executivos. De outro, profissionais disseminam o conhecimento no mercado, sejam os escritórios de advocacia e consultorias ou a mídia e instituições de ensino, reforçando a necessidade de atenção por parte das organizações".

Entretanto, ele disse considerar "acanhada" a forma de agir das grandes empresas. "Tanto pela responsabilização objetiva como pelo bom senso, que impõe a uma empresa íntegra só se relacionar com empesas íntegras, as organizações têm a missão de conduzirem seus fornecedores para o caminho da ética e integridade. Não basta enviar código de conduta ou um questionário para se sentir cumpridor do seu dever. É necessário demandar o pleno atendimento dos requisitos da lei e a implementação de mecanismos de integridade efetivos", pontuou.

COMPLIANCE
"Especialistas afirmam que o Brasil perde cerca de R$ 200 bilhões por ano por causa da corrupção. Isso é praticamente a soma do investimento do País em saúde, educação e segurança. Portanto, se as organizações se engajarem, de verdade, em implementarem mecanismos de integridade, já teremos uma redução nesse patamar, que pode ser imediatamente revertido para a sociedade", completou o sócio da Compliance Total.

A chamada "Lei da Empresa Limpa" passou a vigorar em meio ao crescimento de denúncias contra grandes empreiteiras. Coincidência ou não, Giovanini avalia que esses eventos simultâneos contribuíram para aumentar sua repercussão e, consequentemente, seu efeito educador para a sociedade. "Se de um lado há um efeito devastador para funcionários e mercado, por outro, espera-se um aprendizado mais rápido por parte de outras empresas. Agora, vemos as organizações virando a página, fazendo a limpeza necessária e criando mecanismos para evitar a repetição de fatos do passado. Portanto, o saldo é bem positivo".

Texto por Mariana Franco Ramos, publicado em Folha de Londrina - 13/08/2018
Confira a matéria completa: https://www.folhadelondrina.com.br/politica/lei-anticorrupcao-faz-5-anos-e-muda-atitudes-de-empresas-1012525.html

Entre em contato
com nossos especialistas em Compliance

A Compliance Total dispoe de um time de executivos pronto para atendê-lo, ajudando você e sua empresa na identificação das melhores soluções personalizadas em compliance. Contate-nos.


Sede São Paulo

+55 11 5181.0545 | +55 11 5181.1862 | Av. Dr. Chucri Zaidan, 1550 / conjunto 2502 CEP 04711-130 | São Paulo/SP | Brasil

Sede Porto Alegre

+55 51 3086.1800 | Av. Carlos Gomes, 466 / conjunto 501 CEP 90480-000 | Porto Alegre/RS | Brasil

Voltar
ao topo